Mia Couto distinguido com o Prémio Eduardo Lourenço

O escritor moçambicano é o vencedor da sétima edição do Prémio Eduardo Lourenço, no valor de 10 mil euros, atribuído pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI), foi hoje anunciado na Guarda.

Discurso de Mia Couto reivindicando a necessidade de perder o medo.
O medo faz escravos, as medidas de segurança geram insegurança e mais medo.

A decisão foi comunicada por João Gabriel Silva, reitor da Universidade de Coimbra, no final de uma reunião do júri, a que presidiu, realizada hoje nas instalações do CEI, naquela cidade.

Instituído em 2004, o prémio anual, que tem o nome do ensaísta Eduardo Lourenço, mentor e presidente honorífico do CEI, destina-se a galardoar personalidades ou instituições, portuguesas ou espanholas, “com intervenção relevante no âmbito da cooperação e da cultura ibérica”.

fjsDesta vez, segundo o presidente do júri, foi atribuído a Mia Couto, escritor que “alargou os horizontes da língua portuguesa e da cultura ibérica”.

João Gabriel Silva disse à agência Lusa que a distinção foi entregue ao escritor Moçambicano “por unanimidade e aclamação”, num conjunto de 15 concorrentes, pela importância que a sua obra representa “para o espaço ibérico”.

“Todos reconhecemos a sua enorme contribuição para a cultura ibérica. Acho que é uma excelente escolha, é alguém que enormemente engrandece a cultura portuguesa e ibérica”, declarou.

O presidente do júri referiu que, pela primeira vez, o Prémio Eduardo Lourenço “sai da Ibéria, indo até ao Índico”, dado que Mia Couto nasceu e vive em Moçambique.

O escritor e biólogo Mia Couto (António Emílio Leite Couto, de seu nome completo) nasceu na Beira, em 5 de Julho de 1955.

Além do reitor da Universidade de Coimbra, o júri que hoje decidiu a atribuição do Prémio Eduardo Lourenço 2011 era formado pela vice-reitora da Universidade de Salamanca (Espanha), Noémi Dominguez, pelo presidente da Câmara da Guarda, Joaquim Valente, por José Joaquim Gomes Canotilho e Maria de Sousa (Universidade de Coimbra), Antonio Colinas e Juan Carlos Mestre (Universidade de Salamanca), entre outros.

A sessão solene de entrega do galardão terá lugar a 26 de Novembro, na Guarda, por ocasião das comemorações do 11.º aniversário do CEI.

O Prémio Eduardo Lourenço teve a sua primeira edição em 2004 e já distinguiu “personalidades de relevo” de Portugal e de Espanha, segundo a entidade promotora.

As anteriores edições contemplaram Maria Helena da Rocha Pereira, catedrática jubilada da Universidade de Coimbra na área da Cultura Greco-Latina, o jornalista espanhol Agustín Remesal, a pianista Maria João Pires, o poeta espanhol Ángel Campos Pámpano, o penalista Jorge Figueiredo Dias e o escritor César António Molina.

O CEI é uma associação transfronteiriça sem fins lucrativos, que nasceu de um desafio lançado pelo ensaísta Eduardo Lourenço na sessão solene comemorativa do Oitavo Centenário do Foral da Guarda, em 1999.

Fonte: dn.pt Foi criado em resultado de uma parceria que envolveu a Câmara Municipal da Guarda e as Universidades de Coimbra e de Salamanca e, mais tarde, o Instituto Politécnico local.

Fonte: dn.pt

Pin It on Pinterest

Share This