Morreu o encenador Mário Barradas

Director do Conservatório, proposto por Madalena Azeredo Perdigão por altura da reforma determinada pelo Ministério da Educação na fase final da ditadura, Mário Barradas viria a fundar, depois da Revolução, o Centro Cultural de Évora, uma das estruturas pioneiras da descentralização teatral, conceito pelo qual se bateu e a que dedicou, praticamente, toda a vida. Antigo advogado em Moçambique, embora natural dos Açores, decidiu, a certa altura, mudar de carreira e fez o curso de direcção na Escola do Teatro Nacional de Estrasburgo.

fjsFoi funcionário da Secretaria de Estado da Cultura e Director Geral dos espectáculos, e nessa qualidade teve uma intervenção permanente e uma grande influência no desenvolvimento e constituição do actual tecido teatral.

Foi fundador e director da Escola de Teatro do Centro Cultural de Évora e nessa qualidade formou muitos dos actuais actores e directores profissionais.

Como encenador, Mário Barradas foi um artista vinculado ao realismo e profundamente influenciado pela Escola Francesa dos anos 60 e 70, marcada fundamentalmente pelas teorias de Brecht. Era um intelectual de Esquerda e militante comunista.

A morte inesperada impede-o de realizar o último projecto em que, com grande entusiasmo, trabalhou: a encenação de “Troilo e Créssida”, de Shakespeare, co-produção entre a Companhia Teatro de Almada, A Companhia de Teatro do Algarve e a Companhia de Teatro de Braga, cuja estreia estava prevista para 22 de Abril de 2010.

A envergadura de Mário Barradas como figura central da modernização do teatro português merece a homenagem de todos os artistas teatrais. O seu corpo será velado, a partir de hoje, às 18h00, no Palácio Galveias, no Campo Pequeno, e o funeral será amanhã, às 15h00, do mesmo local para o cemitério do Alto de São João.

A comoção que sentimos pela morte de um grande homem de teatro associa-se, neste momento, a uma dolorosa sensação de perda.

Mário Barradas perdurará, no entanto, na nossa memória.

Joaquim Benite, Director da Companhia de Teatro de Almada

 

Pin It on Pinterest

Share This