A genética do design escondida nos traços e cadernos de Manuel Estrada

Até ao dia 23 de Setembro, no MUDE, é possível conhecer o trabalho do designer gráfico espanhol, responsável pelas ilustrações dos livros de Saramago em Espanha. Os bastidores do design estão abertos.

José Saramago foi um homem das palavras e não terá percebido à primeira o que é que a sua obra ganharia se as capas dos seus livros tivessem uma nova vida, que assentasse no desenho e na ilustração. Dizia o Prémio Nobel que a literatura não precisava de imagens, mas foi depois de conhecer o designer gráfico espanhol Manuel Estrada que resolveu reconsiderar. Sentou-se com o designer, que então se tornou seu amigo pessoal, e juntos deram uma nova cor a livros como O Memorial do Convento (Alfaguara) ou A Viagem do Elefante (Santillana).

A história é contada pelo próprio designer ao PÚBLICO, mas só é compreendida depois de se ver no Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, a exposição Onde Nascem as Ideias. Cadernos de Equilibrista, que mais do que mostrar o trabalho de Estrada, conhecido também por ser responsável pela imagem de algumas das empresas e instituições mais importantes de Espanha, propõe uma reflexão sobre o processo criativo no design.

“Talvez assim se compreenda que o design não é uma disciplina fácil e que requer muita reflexão”, diz ao PÚBLICO Manuel Estrada, considerando que o design está na moda e que, por essa razão, o destaque que tem nos dias de hoje é passageiro. “É por isso que é preciso explicar aos estudantes que desenhar não é uma tarefa fácil, é uma disciplina tão séria como o Direito ou a Matemática, e requer muito estudo, até porque, em tempos de crise, só os bons designers têm lugar”, continua o espanhol, responsável pela identidade visual e o projecto museográfico do Museo del Traje, em Madrid, e do Museo del Ejército, em Toledo.

Em Lisboa estão expostos 50 cadernos de desenhos seus, resultado de mais de dez anos de actividade.

Continuar a ler

Fonte: Público

Pin It on Pinterest

Share This