Antonio Machado, 75 anos depois da última viagem

Y cuando llegue el día del último viaje,
y esté al partir la nave que nunca ha de tornar,
me encontraréis a bordo ligero de equipaje,
casi desnudo, como los hijos de la mar.

Completam-se, no dia 22 de fevereiro, 75 anos da morte do poeta espanhol Antonio Machado. Nascido em 1875 em Sevilha e pertencente àquela que ficou conhecida como a “Geração de 98” de escritores espanhóis, Machado foi um poeta comprometido e uma das muitas vítimas da Guerra Civil Espanhola.

Em 1939, acompanhado pela mãe, teve que exiliar-se em França por conta da perseguição das forças comandadas por Franco – fizeram parte da imensa coluna que deixou a Catalunha em pleno bombardeamento de aviões alemães. Dias depois de cruzar a fronteira, o poeta faleceu na aldeia de Colliure e o seu túmulo transformou-se num lugar de peregrinação dos republicanos e dos amantes da sua poesia.

A Andaluzia e a Espanha foram temas centrais da poesia de Antonio Machado, autor, entre muitos outros, dos célebres versos: “Caminante no hay caminho/ se hace camino al andar”.

Nesta semana, uma série de homenagens a Machado serão realizadas na Espanha e em França. A “Red de Ciudades Machadianas”, união de lugares por onde passou o poeta, organiza uma série de atividades para recordar o poeta, os seus versos e a sua vida.

A RTVE, de Espanha, preparou um programa especial intitulado “Yo voy soñando caminos” que pode ser visto aqui

Também se organiza para esta sexta-feira uma homenagem ao poeta no Twitter. Quem quiser participar, deverá usar a hashtag #machadoenuntuit acompanhada de frases do ou sobre o poeta.

Para assinalar a data, a Fundação José Saramago recupera um texto escrito por José Saramago no dia 22 de fevereiro de 2009, no blogue do escritor, em que celebra a poesia de Antonio Machado:

Carta a António Machado
Domingo, 22 de Fevereiro de 2009

António Machado morreu hoje há setenta anos. No cemitério de Collioure, onde os seus resto repousam, um marco de correio recebe todos os dias cartas que lhe são escritas por pessoas dotadas de um infatigável amor que se negam a aceitar que o poeta de “Campos de Castilla” esteja morto. Têm razão, poucos estão tão vivos. Com o texto que se segue, escrito por ocasião do 50º aniversário da morte de Machado, e para o Congresso Internacional que teve lugar em Turim, organizado por Pablo Luis Ávila e Giancalo Depretis, tomo o meu modesto lugar na fila. Uma carta mais para Antonio Machado.

Lembro-me, tão nitidamente como se fosse hoje, de um homem que se chamou António Machado. Nesse tempo eu tinha catorze anos e ia à escola para aprender um ofício que de pouco me viria a servir. Havia guerra em Espanha. Aos combatentes de um lado deram-lhes o nome de vermelhos, ao passo que os do outro lado, pelas bondades que deles ouvia contar, deviam ter uma cor assim como do céu quando faz bom tempo. O ditador do meu país gostava tanto desse exército azul que deu ordem aos jornais para publicarem as notícias de modo que fizessem crer aos ingénuos que os combates sempre terminavam com vitórias dos seus amigos. Eu tinha um mapa onde espetava bandeirinhas feitas com alfinetes e papel de seda. Era a linha da frente. Este facto prova que conhecia mesmo António Machado, embora sem o ter lido, o que é desculpável se levarmos em conta a minha pouca idade. Um dia, ao perceber que andava a ser ludibriado pelos oficiais do exército português que tinham a seu cargo a censura à imprensa, atirei fora o mapa e as bandeiras. Deixei-me levar por uma atitude irreflectida, de impaciência juvenil, que António Machado não merecia e de que hoje me arrependo. Os anos foram passando. Em certa altura, não me lembro quando nem como, descobri que o tal homem era poeta, e tão feliz me senti que, sem nenhuns propósitos de vanglória futura, me pus a ler tudo quanto escreveu. Por essa mesma ocasião, soube que já tinha morrido, e, naturalmente, fui colocar uma bandeira em Collioure. É tempo, se não me engano, de espetar essa bandeira no coração de Espanha. Os ossos podem ficar onde estão.

Pin It on Pinterest

Share This