Cadernos de Lanzarote III (1996)

Cadernos de Lanzarote III (1996)

Portugal:

Porto Editora 2017 (1ª edição na Porto Editora; 4ª edição)

Disponível em formato e-book

A caligrafia da capa é da autoria do jornalista José Carlos Vasconcelos.

Os bastidores dos prémios literários internacionais, a cumplicidade com amigos escritores como Jorge Amado, a luta contra o obscurantismo político e religioso que condena as suas obras como subversivas e blasfemas, os impasses íntimos do escritor diante do seu trabalho: tudo isso está nas páginas destes diários de José Saramago, o maior autor português da atualidade, escritos entre 1993 e 1995 na pacata aldeia onde vive, em Lanzarote, uma das ilhas Canárias, ou nas suas inúmeras viagens pelo mundo. Alternando a serenidade de quem já viveu muito com a indignação de quem não se cansa de lutar contra o que julga estar errado, Saramago dá neste livro um testemunho único de entrega à literatura e à vida.


Caminho – Leya
1996, 3.a ed., 1998

«”5 de Outubro””A comunicação social portuguesa, em particular imprensa e rádio, comportou-se uma vez mais com acendrado patriotismo, apregoando aos quatro ventos as qualidades que exornam aqueles a que chama, num rasgo verdadeiramente criativo, “nomeados” ou “candidatos” ao Prémio Nobel de Literatura. Está visto que até hoje nenhum escritor português conseguiu embolsar o famoso cheque e dependurar o colorido e dourado diploma na parede do seu escritório, a culpa tem-na a Academia Sueca, e duplamente a tem porque nem mostra conhecer a literatura que se fez e faz no nosso jardim à beira-mar plantado. (…) Desatentos, desagradecidos, os suecos vão dando o prémio a quem muito bem entendem, após lerem, ao longo de cada ano, atentamente, os jornais do país que já tinham na ideia contemplar. No ano passado (…) os académicos de Estocolmo não fizeram outra coisa (…) que ler jornais japoneses. De tudo isto há que retirar uma conclusão: escritores, temo-los (sem dúvida magníficos), literatura, temo-la (obviamente estupenda), a nossa pouca sorte é não ter ainda a comunicação social portuguesa encontrado a maneira de se fazer ouvir em Estocolmo.”» Este é um extracto do terceiro volume dos cadernos de Saramago.

Círculo de Leitores 1998

Edições estrangeiras:

Brasil:

Companhia das Letras

1997(incluído na obra Cadernos de Lanzarote)

Os bastidores dos prêmios literários internacionais, a cumplicidade com amigos escritores como Jorge Amado, a luta contra o obscurantismo político e religioso que condena suas obras como subversivas e blasfemas, os impasses íntimos do escritor diante de seu trabalho: tudo isso está nas páginas destes diários de José Saramago, o maior autor português da atualidade, escritos entre 1993 e 1995 na pacata aldeia onde vive, em Lanzarote, uma das ilhas Canárias, ou em suas inúmeras viagens pelo mundo. Alternando a serenidade de quem já viveu muito com a indignação de quem não se cansa de lutar contra o que julga estar errado, Saramago dá neste livro um testemunho único de entrega à literatura e à vida.

Espanha:

Alfaguara

1997; 2001; 2011 (Colecção Biblioteca Saramago) (Trad.: Eduardo Naval)(incluído na obra Cuadernos de Lanzarote (1993-1995))

José Saramago nos revela en estas páginas su día a día en Lanzarote, adonde trasladó su residencia en 1993. Lo acompaña de preguntas y respuestas, de opiniones certeras y radiantes acerca de lo más cercano y lo más general, de comentarios sobre amigos y sobre el mundo que le ha tocado, que nos ha tocado, vivir.

Itália:

Einaudi

2010; 2011 (Trad.: Rita Desti)(incluído na obra Quaderni di Lanzarote; Selecçao de textos)

«Scrivere un diario è come guardarsi in uno specchio di fiducia, addestrato a trasformare in belezza il semplice bell’aspetto o, nel peggiore dei casi, a rendere sopportabile la bruttezza massima. Nessuno scrive un diario per dire chi è. In altre parole, un diario è un romanzo con un personaggio solo».

Questa edizione è una scelta tra le pagine pubblicate nei Cadernos de Lanzarote tra il 1994 e il 1998. L’ultimo romanzo di José Saramago (Azinhaga, 1992) pubblicato da Einaudi è Il viaggio dell’elefante.

México:

Alfaguara (incluído na obra Cuadernos de Lanzarote (1993-1995))

Un itinerario vital y artístico que documenta el pasado con la misma fuerza y humanidad con que refleja el presente, para asomarse a lo próximo. Un nuevo interrogante sobre la obstinación de la vida, que conjura la indiferencia y el tedio del no ser.

Ver dossier de imprensa

Pin It on Pinterest

Share This