Hiroshima, 68 anos

Eram oito horas e quinze minutos (00h15 de Lisboa) de 6 de agosto de 1945 quando a cidade japonesa de Hiroshima foi atingida por uma bomba atómica  lançada do bombardeiro norte-americano Enola Gay. Um minuto de silêncio marcou a recordação deste momento, 68 anos passados, numa cerimónia realizada na cidade com a participação do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que pediu a abolição das armas nucleares.

O autarca de Hiroshima, Kazumi Matsui, filho de um dos sobreviventes da bomba conhecidos no Japão pelo nome de “hibakusha”, defendeu uma Coreia do Norte e um “nordeste da Ásia” livres de armas nucleares e recordou que o Japão ainda sofre, mais de dois anos depois, os efeitos do acidente na central nuclear de Fukushima, informou a agência Efe. Também pediu ao Governo central mais esforços para “um mundo sem armas atómicas” e mostrou-se preocupado com os desejos demonstrados pelo Japão e Índia de firmarem um pacto de cooperação nuclear.

A cerimónia deste ano reuniu representantes de 70 países, incluindo o embaixador norte-americano no Japão, John Roos. Depois do ataque sobre Hiroshima, os Estados Unidos lançaram uma segunda bomba nuclear a 9 de agosto de 1945 sobre a cidade de Nagasaki. Em março passado, o número total de “hibakusha” em Hiroshima e Nagasaki era de 201.779, menos 9.051 do que no ano passado, e a sua idade média era de 78,8 anos.

Pin It on Pinterest

Share This