Mês do Desassossego (1)

A partir de hoje e até 16 de novembro, Dia do Desassossego, a Fundação José Saramago associa-se à iniciativa de Graciela Castañeda, criadora do Mundo Blimunda, que selecionou trechos de Saramago para cada dia. 

Professora de Córdoba, Argentina, Graciela Castañeda é grande conhecedora e admiradora da obra de José Saramago. No ano passado, a propósito dos 90 anos do escritor, ao longo de 90 dias colocou na sua página do facebook frases que respigou na obra de Saramago. Este ano, decidiu dedicar-lhe 30 dias, o “Mês do Desassossego”. 

O texto escolhido para hoje vem de “O Caderno 2”:

“…por que não nos decidimos a pôr de pé umas quantas ideias simples e uns quantos projectos ao alcance de qualquer compreensão? Estes, por exemplo, no caso de não se arranjar coisa melhor: a) Desenvolver desde a retaguarda, isto é, fazer aproximar das primeiras linhas de bem-estar as crescentes massas de população deixadas atrás pelos modelos de desenvolvimento em uso; b) Suscitar um sentido novo dos deveres humanos, tornando-o correlativo do exercício pleno dos seus direitos; c) Viver como sobreviventes, porque os bens, as riquezas e os produtos do planeta não são inesgotáveis; d) Resolver a contradição entre a afirmação de que estamos cada vez mais perto uns dos outros e a evidência de que nos encontramos cada vez mais isolados; e) Reduzir a diferença, que aumenta em cada dia, entre os que sabem muito e os que sabem pouco.Creio que é das respostas que dermos a questões como estas que dependerá o nosso amanhã e o nosso depois de amanhã. Que dependerá o próximo século. E o milénio todo. A propósito, regressemos à Filosofia.”

De “O Caderno 2”, 25 de março de 2009

Pin It on Pinterest

Share This