Os Apontamentos (1976)

Os Apontamentos (1976)

Portugal:

4_os_apontamentosPorto Editora 2014 (1ª edição na Porto Editora; 4ª edição) Disponível em formato e-book

A caligrafia da capa é da autoria da atriz e encenadora Maria do Céu Guerra

Editoriais do Diário de Notícias e crónicas publicadas no Diário de Lisboa, onde Saramago sublinha: «No meio de tantas palavras, não encontro senão duas que gostosamente apagaria se não fosse o escrúpulo de proteger o meu próprio respeito. É quando, uma e outra vez, falo de “jornalistas revolucionários”. Como se não bastasse a ingenuidade de os imaginar assim, ainda fui cair na presunção de me incluir no grupo. Ilusão minha, ilusão nossa.»

Em Apontamentos, podemos seguir o olhar de Saramago, nomeadamente, sobre «os emigrantes, hoje e sempre»; «os franceses de torna-viagem»; «as regras da convivência»; «o eufemismo como política», ou «a resistência renegada». Ganhou a língua e toda a literatura portuguesa. Uma forma de conhecer com alguma profundidade o lado militante de José Saramago, que aqui surge de forma bastante evidente, ao contrário das suas obras de ficção, onde as convicções políticas, embora lá, aparecem de forma bastante mais diluída. Para descobrir a fase em que José Saramago alertava para os perigos do fascismo e para as virtudes do socialismo.

Diário de Notícias, 9 de outubro de 1998

Editorial Caminho 1990, 3ª ed.«Editoriais do DN e crónicas publicadas no “Diário de Lisboa”, onde Saramago sublinha: “No meio de tantas palavras, não encontro senão duas que gostosamente apagaria se não fosse o escrúpulo de proteger o meu próprio respeito. É quando, uma e outra vez, falo de ‘jornalistas revolucionários’. Como se não bastasse a ingenuidade de os imaginar assim, ainda fui cair na presunção de me incluir no grupo. Ilusão minha, ilusão nossa.” Em “Apontamentos”, olhar de Saramago, nomeadamente, sobre “os emigrantes, hoje e sempre”; “os franceses de torna-viagem”; “as regras da convivência”; “o eufemismo como política”, ou “a resistência renegada”.Ganhou a língua e toda a literatura portuguesa. Uma forma de conhecer com alguma profundidade o lado militante de José Saramago, que aqui surge de forma bastante evidente, ao contrário das suas obras de ficção, onde as convicções políticas, embora lá, aparecem de forma bastante mais diluída. Para descobrir a fase em que José Saramago alertava para os perigos do fascismo e para as virtudes do socialismo.» (Diário de Notícias, 9 de Outubro de 1998)
Seara Nova 1976, 1990

Pin It on Pinterest

Share This