A Fundação

Contatos e Informações

Morada e Horários

Casa dos Bicos – Sede da Fundação José Saramago
Rua dos Bacalhoeiros, 10, 1100-135 Lisboa
Tel. (+ 351) 218 802 040
secretaria@josesaramago.org

VER MAPA

Horário de funcionamento
De 2.ª a sábados, das 10 às 18 horas
(Última entrada – 17.30 h)

Entradas

  • Bilhete normal – 3,00 €;
  • Bilhete-família – 8,00 € (Até um máximo de 2 adultos);
  • Bilhete estudante (é necessária apresentação de cartão de estudante) – 2,00 €;
  • Parceria Casa Fernando Pessoa – 1,00 € (mediante apresentação de bilhete de ingresso na CFP – bilhetes válidos para efeitos de desconto até 10 dias);
  • Entrada para grupos escolares (até 25 alunos) – 25,00 € (por marcação);
  • Entradas para grupos não-escolares – Sem visita guiada – 2,00 € por pessoa | Com visita guiada – 2,50 € por pessoa (por marcação);
  • Entrada gratuita – crianças até aos 12 anos, maiores de 65 anos, investigadores da obra de José Saramago (por marcação), desempregados, e “Amigas/Amigos de José Saramago”.
  • Acordos especiais – LisboaCard: Bilhete normal 2,00€; SmartVisit e YellowBus: Bilhete normal 2,40€ (só aplicável ao Bilhete normal); Associados INATEL 15% de desconto (aplicável ao Bilhete normal e de família, extensível ao agregado familiar e familiares do 1º grau do Associado INATEL mediante a apresentação do cartão válido e actualizado); Parcerias estabelecidas no âmbito do Cartão “Amiga/Amigo de José Saramago”.

A Casa dos Bicos

A Casa dos Bicos, edifício que Brás de Albuquerque, filho do vice-rei da Índia, Afonso de Albuquerque, mandou construir em 1523, após uma viagem a Itália, e que teve como modelo o Palácio dos Diamantes, em Ferrara, é desde junho de 2012 a sede da Fundação José Saramago. Embora seja legítimo supor que o seu primeiro proprietário gostaria que a sua casa tivesse o mesmo nome, a opinião dos lisboetas de então foi diferente. Onde alguns quereriam ver diamantes, eles não viam mais que bicos de pedra, e, como o uso faz lei, de tanto lhe chamarem Casa dos Bicos, dos Bicos ficou e com esse nome entrou na História.

Ao longo dos tempos a casa serviu a distintas funções, tanto privadas como públicas, sendo mesmo utilizada, durante algum tempo, como armazém de bacalhau. Até 2002 albergou a Comissão dos Descobrimentos, entidade que coordenou as actividades com que se comemoraram as viagens portuguesas, marco fundamental no conhecimento do mundo tal como hoje o vemos.

A Fundação José Saramago pretende que este emblemático edifício seja um espaço público em que se celebrem exposições, recitais, conferências, cursos, seminários, de modo que as suas dependências sejam colocadas ao serviço da cultura. A Casa está aberta ao público, pondo assim termo a um largo período em que nem os lisboetas nem os turistas podiam apreciar os vestígios de épocas passadas que se albergam no piso térreo: um conjunto de estruturas que remonta às primeiras ocupações do espaço, um troço importante da muralha fernandina, tanques romanos (cetárias) de base quadrangular, destinados à salga e conserva de peixes (o famoso garum), e por restos de cerca moura…

O edifício é de propriedade municipal, cedido, mediante protocolo assinado em Julho de 2008, à Fundação por um período de 10 anos – em 2018 a cessão foi prorrogada pelo mesmo período.