José Saramago / A Obra / Bibliografia

Cadernos de Lanzarote III

Cadernos de Lanzarote III
1995

Escrever um diário é como olhar-se num espelho de confiança, adestrado a transformar em beleza a simples boa aparência ou, no pior dos casos, a tornar suportável a máxima fealdade. Ninguém escreve um diário para dizer quem é. Por outras palavras, um diário é um romance com uma só personagem. Por outras palavras ainda, e finais, a questão central sempre suscitada por este tipo de escritos é, assim creio, a da sinceridade

José Saramago

Loja

Portugal

Cadernos de Lanzarote III

2017 (1ª edição na Porto Editora; 4ª edição)


Idioma
Português

A caligrafia da capa é da autoria do jornalista José Carlos Vasconcelos.

Os bastidores dos prémios literários internacionais, a cumplicidade com amigos escritores como Jorge Amado, a luta contra o obscurantismo político e religioso que condena as suas obras como subversivas e blasfemas, os impasses íntimos do escritor diante do seu trabalho: tudo isso está nas páginas destes diários de José Saramago, o maior autor português da atualidade, escritos entre 1993 e 1995 na pacata aldeia onde vive, em Lanzarote, uma das ilhas Canárias, ou nas suas inúmeras viagens pelo mundo. Alternando a serenidade de quem já viveu muito com a indignação de quem não se cansa de lutar contra o que julga estar errado, Saramago dá neste livro um testemunho único de entrega à literatura e à vida.