José Saramago / A Obra / Bibliografia

O Homem Duplicado

O Homem Duplicado
2002

Atualmente, no mundo, entre «eu» e o «outro» há distâncias e não é possível superar essas distâncias, e por isso o ser humano cada vez consegue menos chegar a um acordo. As nossas vidas são compostas em cerca de 95% pela obra dos outros. No fundo, vivemos num caos e não existe uma ordem aparente que nos governe. Então, a ideia-chave no livro é que o caos é um tipo de ordem por decifrar

José Saramago

Loja

Portugal

O Homem Duplicado

2014 (1ª edição na Porto Editora; 3ª edição)


Idioma
Português

A caligrafia da capa é da autoria do escritora Lídia Jorge

Tertuliano Máximo Afonso, professor de História no ensino secundário, «vive só e aborrece-se», «esteve casado e não se lembra do que o levou ao matrimónio, divorciou-se e agora não quer nem lembrar-se dos motivos por que se separou», à cadeira de História «vê-a ele desde há muito tempo como uma fadiga sem sentido e um começo sem fim». Uma noite, em casa, ao rever um filme na televisão, «levantou-se da cadeira, ajoelhou-se diante do televisor, a cara tão perto do ecrã quanto lhe permitia a visão, Sou eu, disse, e outra vez sentiu que se lhe eriçavam os pelos do corpo».

Depois desta inesperada descoberta, de um homem exatamente igual a si, Tertuliano Máximo Afonso, o que vive só e se aborrece, parte à descoberta desse outro homem.